WEB 3.0: A ECONOMIA DESCENTRALIZADA NOS NEGÓCIOS DIGITAIS

A Web 3.0, também chamada de Web Semântica, reúne as características de suas antecessoras, Web1.0 e Web2.0, e adiciona uma característica inovadora e fundamental: a inteligência artificial. Nesse cenário, as máquinas se tornam aliadas dos usuários tanto na produção de conteúdo quanto na otimização da experiência online.

Outra questão importante sobre Web3.0 é o fato de ter acesso à internet a qualquer hora, em qualquer lugar e em qualquer dispositivo e, principalmente, a troca, o aproveitamento e o tratamento inteligente de dados. Inovação, navegabilidade e maior velocidade de informação são as principais características da Web3.0, que farão -e já fazem- a diferença no mundo dos negócios.

Na prática, trata-se de uma mudança de paradigma para a internet, que passa por uma série de redes e protocolos abertos e descentralizados que oferecem serviços de tecnologia, armazenamento, banda larga, finanças e identidade.

Com o cruzamento de dados e o desenvolvimento do chamado machine learning, a Web3.0 não apenas gera e armazena informações, mas também tem a capacidade de interpretá-las. Essa combinação de forças entre homem e máquina acaba criando uma experiência de uso muito mais personalizada e interativa.

Além disso, e muito mais importante, é o fato do próprio usuário ter acesso e total controle sobre seu próprios dados, fato que ainda gera muitas discussões entre as empresas que possuem uma centralização excessiva do poder digital, como Google e Meta (Facebook), as chamadas “FAANGs”.

Para driblar essa questão, entra em cena a utilização de tecnologias como a criptografia que, de tendência, passou a ser realidade para os usuários, que passam a ter total controle sobre os próprios dados. Isso mostra que, através da inteligência artificial, os internautas passam a criar um formato de navegação, não mais aguardando que as próprias empresas criem mecanismos para isso.

Através do uso da tecnologia blockchain é possível descentralizar os dados de usuários, como o Telegram e o WhatsApp, serviços de mensagens instantâneas baseados na nuvem.

A adoção do blockchain em negócios não será só importante do ponto de vista da segurança, mas também trará de volta alguns aspectos mais humanos antes esquecidos na rede. O usuário poderá optar por se preservar ou compartilhar suas informações com total independência.

A atuação de Bichara e Motta Advogados nas áreas que envolvem a Web3.0 já é uma realidade. Mais informações em www.bicharaemotta.com.br.